O papel do Consultor na evolução da Agricultura Digital

No agronegócio, não há quem não conheça a figura do consultor agrícola. É ele quem encurta as distâncias entre novos conhecimentos e o produtor, trazendo inovação e possibilitando que a produção agrícola siga sempre avançando.

A agricultura digital já é uma realidade no Brasil e vai continuar evoluindo, com suas tecnologias de sensoriamento remoto, conectividade e outras ferramentas relativas à tecnologia da informação, é possível coletar e analisar dados sobre o clima, o solo, a lavoura e os equipamentos.

Por trás de toda essa tecnologia, prevalece a opinião técnica e específica a respeito dos problemas suscetíveis a ocorrer durante a safra. O consultor agrícola, através de toda a sua experiência e expertise com tecnologia de ponta, é capaz de prever e amenizar estes problemas, evitando perdas futuras e possibilitando um investimento mais assertivo.

Hoje, você vai se aprofundar um pouco mais no universo do consultor agrícola, com as ideias, a experiência, as análises e as dicas de Maurício Nicocelli Netto, consultor em agricultura digital na MONAGRI. É informação importante para todos os envolvidos: produtores, técnicos e até mesmo outros consultores. 

Granular: Na sua opinião, qual é a importância do consultor?

Maurício Nicocelli Netto: Atualmente, no mercado agro, nós temos aí mais de 1125 Agtechs. De fato, são muitas empresas e em alguns momentos o produtor rural fica perdido em meio a tantas soluções, não sabendo como dar os primeiros passos no processo de digitalização de sua propriedade. É aí que entra o Consultor em Agricultura Digital, que tem como função organizar e gerenciar a coleta de dados e usar esses dados para uma melhor tomada de decisão. Além disso, esse mesmo profissional deve ter como objetivo buscar novas soluções para o produtor. Eu, atualmente, venho procurando novas soluções em conectividade, VANTs (Veículos Aéreos Não Tripulados), controle biológico e inteligência artificial, por exemplo.

G: Houve alguma mudança no trabalho de consultoria nos últimos anos?

MNN: Sim, claro. As consultorias e empresas de prestação de serviços vem evoluindo e aderindo a novas plataformas para gerenciar melhor os dados das fazendas. Com isso, novos profissionais multidisciplinares vem surgindo nos últimos anos. Podemos também citar os novos cursos que estão sendo criados para formar profissionais, como a FATEC Pompéia que abriu o curso de Big Data para o Agronegócio; o SENAI Rondonópolis–MT, com o curso de  Tecnólogo em Agrocomputação, entre outras instituições que estão buscando evoluir nesse sentido. 

Eu faço parte da Associação Brasileira de Prestadores de Serviço em Agricultura de Precisão (ABPSAP), que abrange mais de 140 empresas por todo o Brasil.  Anualmente é realizado um simpósio para discutir esse tema. Nós temos um grupo em que conversamos constantemente sobre a evolução que as consultorias vêm passando.

G: Na sua visão, qual é o conhecimento que um Consultor Agrícola precisa ter?

MNN: Falando sobre Consultoria em Agricultura Digital e de Precisão, eu acredito que hoje o profissional deve saber trabalhar com plataformas digitais de monitoramento de pragas e retirar e analisar os dados gerados nas máquinas, como mapas de semeadura, pulverização e colheita. Todos esses são fatores fundamentais para controlar a parte operacional. Além, é claro, de conhecimento em pontos agronômicos da cultura em questão. 

G: Que tipo de informações ele deve buscar?

MNN: Nos dias de hoje, nós temos centenas de webinários sendo realizados diariamente. Neles, todos esses conhecimentos que a gente já citou estão sendo disponibilizados por diversas empresas do setor, de forma aberta e acessível.

Acredito que o consultor deve se aprimorar e conhecer o potencial das  imagens NDVI, mecanização, APIs (integrações entre plataformas) , fertilidade do solo e adubação, criação de prescrições, que são as taxas variáveis de sementes e sólidos, e plantabilidade. 

G: Onde você acredita que sejam bons locais e boas fontes para encontrar essas informações?

MNN: Eu penso que os cursos online, Youtube e eventos regionais como simpósios e congressos ainda são a melhor fonte para se manter atualizado sobre o tema. Mas sabemos que hoje, com a internet, o acesso à boa informação ficou muito mais fácil e democrático. Eu hoje acompanho o trabalho de empresas agro listadas na Bolsa, como a SLC Agrícola, Brasil Agro e Terra Santa, e nos relatórios de investidores tem muita informação útil e gratuita. 

G: Para quem está concluindo a faculdade hoje, o que você indicaria?

MNN: Saber falar inglês fluentemente, buscar cursos online na área digital e fazer  estágios desde o início da faculdade, nem que seja de graça. Atualmente, eu vejo alguns profissionais que já querem começar suas carreiras ganhando muito. Mas, no início da carreira, penso que o mais importante é trabalhar em posições que tragam um grande aprendizado para o jovem profissional e que sejam posições-chave para o futuro. Eu mesmo trabalhei por mais de dois anos sem receber nada e meu primeiro emprego foi como monitor agrícola, o famoso pragueiro, mas isso foi fundamental para que eu ingressasse na área digital e evoluísse como profissional.

G: Quais tipos de ferramentas são essenciais para o Consultor?

MNN: Na área digital, ele deve entender de algum SIG (Sistema de Informação Geográfica), como QGis, SMS Agleader, FarmWorks, Operation Center (John Deere), Otmis (Jacto), My Case IH entre outros que têm no mercado. Além de possuir um drone para realizar imagens aéreas e ter algum software de processamento, como Drone Deploy

Ter um bom network é essencial, pois com tantas plataformas no mercado é quase impossível saber de todas as características técnicas da plataforma, mas ter amigos e colegas em outras organizações ajuda na coleta e no entendimento dos dados. Atualmente, eu tenho muitos amigos em grandes empresas e nos ajudamos mutuamente. 

G: Quais ferramentas você utiliza e indica?

MNN: O Granular Insights na parte de imagens aéreas, o Operation Center para gerenciamento de mapas da John Deere, Otmis Net para gerenciamento de máquinas Jacto, Solinftec e o Drone Deploy para processamento de imagens para drones e o FarmBox para monitoramento de pragas e doenças. Tem também o Agroclima Pro para previsão do tempo, e o site Notícias Agrícolas para conteúdo agro no Brasil. Já como fonte internacional de informação, eu indicaria o site precisionag.com

 

¹Maurício Nicocelli Neto
Eng. Agrônomo, Consultor em Agricultura Digital, Proprietário do MONAGRI Coworking e viajante para conhecer novas tecnologias no agro.
Confira o perfil do Maurício no LinkedIn →

Fique por dentro!

Deixe o seu e-mail para receber novos posts do blog direto em sua caixa de entrada

Blog

Tudo sobre Gestão de Fazendas

Renata Bobrowski Rodrigues, 13/11/2020

Como interpretar imagens de satélites na cultura do milho

Renata Bobrowski Rodrigues, 03/11/2020

Como interpretar imagens de satélites na cultura da soja

Renata Bobrowski Rodrigues, 20/10/2020