Uso do Granular Insights em Lavoura de Milho

A cultura do milho no Brasil é de extrema importância econômica, mas também uma cultura que traz muitos desafios para quem a produz. Estar atento ao clima, nível de investimento, histórico da região e pressão de pragas e doenças, ajudam a antecipar problemas e ter melhores resultados.

Existem várias formas de garantir um bom resultado, mas sabemos que uma lavoura de milho vai exigir do responsável mais de 200 decisões ao longo de uma safra, como explica o Silvia Massruhá, chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária. Usar ferramentas que otimizem esse trabalho se tornou não apenas uma forma de estar mais tranquilo, mas também de garantir melhores resultados e tomar decisões com mais segurança.

Uma das ferramentas que têm ajudado produtores a antecipar problemas e, assim, maximizar seus resultados, é a nossa ferramenta de monitoramento por imagens de satélite, o Granular Insights.Com o acesso a imagens de satélites de alta frequência, você consegue informações importantes, como nos exemplos que trouxemos abaixo. No primeiro caso um ataque de percevejos foi identificado antecipadamente, assim como dois produtores que encontraram infestações de Capim Amargoso e Erva Santa Luzia de forma antecipada e remota ao acompanhar as imagens de seus talhões pelo Granular Insights.

Antecipar para preservar

Sabemos que toda planta tem um teto máximo de produção, portanto o manejo de qualquer cultura não está focado em aumentar a produtividade daquela planta, mas sim proteger ao máximo o potencial que ela tem.

Antecipar ações faz parte disso. Encontrar uma infestação de uma planta daninha 1 dia antes já pode fazer muita diferença, agora imagine encontrar ela semanas antes.

Na cultura do milho, por exemplo, o período mais crítico ocorre entre 20 e 60 dias após emergência, entre V3 e V12, podendo ter pequenas variações dependendo da região, época e variedade plantada, conforme esta publicação da Embrapa.

Como Ataque de Percevejo aparece no Índice Vegetativo

Em Janeiro de 2019, um usuário do Granular Insights do Mato Grosso percebeu uma diminuição considerável do índice vegetativo em um de seus talhões, ao verificar a área, percebeu que tratava se um ataque de percevejo, como mostra a imagem abaixo.

A visão antecipada – de um problema que não tinha verificado ainda a olho nu – ajudou o produtor a controlar a infestação, poupando recursos ao conseguir fazer um controle localizado e também protegeu seu potencial e lucratividade, pois conteve o ataque a tempo de se alastrar na lavoura.

Capim Amargoso no WDRVI

O Capim Amargoso (Digitaria insularis) é hoje uma das principais plantas daninhas no cenário nacional, causando inúmeros prejuízos a produtores ao redor de todo país.

Por ser uma planta que se reproduz facilmente e em larga escala, por ter centena de milhares de sementes a cada inflorescência, acaba sendo de difícil controle, principalmente em grandes infestações. Com essa característica de reprodução rápida da planta,antecipar a infestação de Capim Amargoso é não apenas recomendado, mas necessário.

Ao usar imagens de satélite, é possível verificar o surgimento de plantas daninhas, como por exemplo, o Capim Amargoso, com bastante facilidade. Ao iniciar a infestação, as plantas daninhas vão realizar a fotossíntese, assim como as plantas da cultura, seja milho ou qualquer outra, e com isso vão ser representadas no mapa do Índice Vegetativo.

Na medida que a infestação cresce – muitas vezes a taxas maiores que a cultura, ela vai ficar mais visível. Na imagem abaixo, pegamos um exemplo de um produtor do Mato Grosso, que em Outubro de 2019 identificou uma mancha de alto índice vegetativo no meio da sua lavoura de soja.

E ao investigar a área, foi possível que o Capim Amargoso estava causando uma infestação naquela área, em partes específicas do talhão, que não haviam sido monitoradas anteriormente. Desta forma, foi possível realizar um controle.

Santa Luzia em lavouras de Milho

Popular em algumas regiões do país devido às suas propriedades medicinais, a erva-de-santa-luzia (Euphorbia hirta) na cultura do milho é tratada como planta daninha, pois ao nascer em conjunto da cultura, traz prejuízos para o desenvolvimento do milho por estar competindo pelos mesmo recursos.

Na safra 2019/20 em uma área de milho em Goiás, uma usuária do Granular Insights acompanhava com frequência o índice vegetativo de seus talhões e acabou por identificar uma área de alto índice vegetativo.

Ao investigar, ela descobriu que se tratava de uma infestação da erva-de-santa-luzia, que ao nascer junto do milho, aumenta a área foliar daquela área e com isso, aumenta o índice vegetativo no mapa.

Para ajudar na identificação, o usuário usou a função “Siga-Me”, onde você pode ver um ponto azul que identifica a sua localização dentro do talhão, como mostra o primeiro quadro da imagem acima.

Fique por dentro!

Deixe o seu e-mail para receber novos posts do blog direto em sua caixa de entrada